Por que a JSL utiliza EBITDA e EBITDA-A?

O EBITDA é uma medida não-contábil que, de acordo com o Ofício Circular CVM nº 1/2005, corresponde ao lucro líquido do exercício ou do período, conforme o caso, antes do imposto de renda e da contribuição social, do resultado financeiro, da participação dos minoritários. da depreciação e da amortização.

De forma a melhor refletir seu desempenho operacional e evitar distorções causadas pelo EBITDA tradicional, a Companhia adiciona ao EBITDA o custo contábil residual da venda de ativos, resultando no EBITDA Adicionado (EBITDA-A). Cumpre salientar que tal custo não representa desembolso de caixa, uma vez que se trata da mera representação contábil no momento da venda de ativos. Dessa forma, a Administração da Companhia entende que o EBITDA-A é uma medida prática para a mensuração do desempenho econômico-financeiro do negócio.

O EBITDA e o EBITDA-A não são medidas reconhecidas de acordo com as Práticas Contábeis Adotadas no Brasil, não possuem um significado padrão e podem não ser comparáveis às medidas adotadas por outras empresas. O EBITDA e o EBITDA-A apresentam limitações que podem prejudicar a sua utilização como medida de lucratividade, em razão de não considerar determinados custos e despesas decorrentes dos negócios da Companhia, que poderiam afetar de maneira significativa os lucros da JSL, tais como despesas financeiras, tributos, depreciação, despesas de capital e outros encargos relacionados. Nos negócios da Companhia, o EBITDA e o EBITDA-A são utilizados como medidas de desempenho operacional.