Nosso Modelo de Negócios

Nosso Modelo de Negócios

A JSL desenvolveu o seu modelo de negócios, onde cada projeto é dimensionado de maneira exclusiva e leva em consideração as premissas operacionais que farão parte do contrato. Cada contrato faz parte de um ciclo que tem início com a precificação dos projetos, seguido da compra financiada de ativos específicos. Após a implantação dos recursos necessários para a execução da operação, incluindo a estrutura física e a equipe de colaboradores, e os ativos, tem início a prestação de serviços, a qual gera fluxo de caixa durante o prazo contratual, que varia de 2 a 10 anos. A última etapa desse ciclo se dá com o término do contrato, onde o ativo utilizado é vendido. Vale lembrar que seu valor residual estimado foi levado em conta na precificação, compondo assim, o retorno esperado da operação.Saiba mais.

Etapas do Ciclo Operacional

Precificação e fechamento do contrato

A área comercial entende a necessidade do cliente e encaminha para a área de projetos que desenvolve as oportunidades com visitas técnicas para o dimensionamento da operação, com apoio da área operacional, que auxilia no dimensionamento das premissas operacionais. Essa sinergia entre as áreas é estratégica para melhor entender e atender as necessidades do cliente e resulta na precificação customizada. A formação do preço é feita por projeto e toda precificação gera um fluxo de caixa, que considera não só a compra do ativo, como também o período de implantação, a operação, e a venda do ativo no final do contrato, que compõe a TIR mínima por projeto. A JSL estrutura junto com o cliente as premissas operacionais e, a partir daí, a planilha de preço e as condições comerciais passam pela aprovação da Diretoria Executiva e da Presidência para então, o contrato ser fechado.

Financiamento e aquisição do ativo

Paralelamente à implantação da operação acontece a aquisição dos ativos operacionais. O tempo de implantação varia de 60 a 120 dias, período em que se enfatiza a alocação de recursos necessários para o desempenho operacional, mesmo sem dispor da respectiva geração de receita.
Para a compra de veículos pesados ou máquinas e equipamentos, a JSL utiliza o FINAME, e leasing financeiro ou linhas de capitais de giro para veículos leves. Os ativos utilizados têm alta liquidez e, devido à recorrência e à quantidade de ativos comprados, são adquiridos com preços menores que os de mercado, o que traz ganhos de escala à JSL. Vale lembrar que os investimentos estão vinculados a contratos de longo prazo, garantindo segurança na futura geração de caixa.

Prestação de serviço

Com o início das operações, os indicadores financeiros e operacionais são monitorados periodicamente, e a Companhia passa a focar em melhorias contínuas, propondo maneiras para aperfeiçoar o seu desempenho e gerar ganhos de eficiência para seus clientes. Em dezembro de 2016, mais de 100 mil ativos operacionais estavam alocados em operações, efetuando diferentes atividades de acordo com a necessidade do cliente.
É nessa etapa do Modelo de Negócio que as sinergias entre os serviços oferecidos pela JSL ficam em evidência, o que gera imensa capacidade de cross selling para a Companhia, já que possui o maior portfólio de serviços logísticos do País: Serviços Dedicados, Gestão e Terceirização de Frotas e Equipamento, Movida Participações, Transporte de Passageiros e Cargas Gerais.

Revenda do ativo

O ciclo de vendas faz parte da gestão de ativos da JSL, quando a Companhia faz a substituição de seus ativos, a partir de sua rede de seminovos ou concessionárias. Por contar com a frota mais jovem do País, a Companhia pode arbitrar sobre o melhor momento para a compra e venda de seus ativos, o que resulta na maximização do valor de venda dos mesmos. Nessa etapa, a Companhia conta com a JSL Leasing, aproveitando oportunidades comerciais junto às atividades desenvolvidas.

Topo

Exemplo de Contrato de Prestação de Serviço

O objetivo deste exercício, é analisar a lógica econômica de um contrato de serviço de transporte e logística da JSL e seus impactos contábeis. Para isso, utilizaremos um exemplo ilustrativo e simplificado.

Exemplo ilustrativo com números hipotéticos

Premissas
Prazo do Contrato 48 meses Gastos Operacionais R$ 137.000
Preço de Aquisição do Ativo R$ 100.000 Impostos 34%
Depreciação do Ativo 7% Preço de Venda do Ativo R$ 72.000
Receita Líquida com Serviços R$ 165.000 Taxa de Desconto 10,0%

Observação: Para fins de simplificação, este exemplo não leva em conta os efeitos da correção monetária, do capital de giro, do diferimento de impostos e do financiamento do ativo. Os números deste exemplo não são baseados em um contrato real da JSL.



Os contratos são precificados com a intenção de se obter uma taxa de retorno acima do custo de capital. O investimento (compra do ativo) e o desinvestimento (venda do ativo após o término do contrato) fazem parte da precificação dos serviços e são essenciais para se obter a taxa de retorno esperada.

O contrato é contabilizado da seguinte maneira:



Ano 0 1 2 3 4
DRE (em R$)
Receita Líquida de Prestação de Serviços 165.000 165.000 165.000 165.000
(+) Receita da Venda do Ativo Utilizado 72.000
(=) Receita Líquida Total 165.000 165.000 165.000 237.000
(-) Custo de Venda do Ativo Utilizado (72.000)
(-) Custos e Despesas Operacionais (137.000) (137.000) (137.000) (137.000)
(-) Depreciação (7.000) (7.000) (7.000) (7.000)
(=) EBIT 21.000 21.000 21.000 21.000
(-/+) Impostos (7.140) (7.140) (7.140) (7.140)
(=) Lucro Líquido 13.860 13.860 13.860 13.860
Imobilizado (em R$)
Imobilizado 100.000 100.000 100.000 100.000 100.000
(-) Depreciação Acumulada (7.000) (14.000) (21.000) (28.000)
(-) Desmobilização do Ativo (72.000)
(=) Imobilizado Líquido 100.000 93.000 86.000 79.000 0

O EBITDA tradicional pode distorcer a representação desta medida como uma proxy da geração de caixa operacional e como uma medida de desempenho operacional da JSL, pois, ao término do contrato, o custo depreciado do ativo no momento da venda é uma representação contábil resultado da desmobilização do ativo; e sendo assim, não reflete um dispêndio de caixa.

Faremos um ajuste ao EBITDA tradicional para o EBITDA-A*, no qual não consideramos o custo depreciado do ativo vendido, evitando que uma eventual mudança no tratamento contábil da depreciação distorça esta medida.

*EBITDA-A (EBITDA - Added ou EBITDA - Adicionado).

Ano 0 1 2 3 4
EBITDA e EBITDA-A (em R$)
(=) EBIT ------- 21.000 21.000 21.000 21.000
(+) Depreciação (não caixa) ------- 7.000 7.000 7.000 7.000
(=) EBITDA ------- 28.000 28.000 28.000 28.000
(+) Custo do Ativo Vendido (não caixa) ------- 72.000
(=) EBITDA-A ------- 28.000 28.000 28.000 100.000

Usando o EBITDA-A para montar um fluxo de caixa:

Ano 0 1 2 3 4
Fluxo de Caixa Livre (em R$)
EBITDA-A 28.000 28.000 28.000 100.000
(-) Impostos (7.140) (7.140) (7.140) (7.140)
(-) Investimentos (100.000)
(=) Fluxo de Caixa Livre (100.000) 20.860 20.860 20.860 20.860
Taxa de Desconto 10,0% 10,0% 10,0% 10,0% 10,0%
Fator de Desconto 1,00 0,91 0,83 0,75 0,68
Valor Presente dos FLC (100.000) 18.964 17.240 15.672 63.425
Valor Presente do Contrato 15.300
TIR do Contrato 15,3%

Ou alternativamente, partindo do EBITDA, o custo do ativo vendido tem que ser revertido:

Ano 0 1 2 3 4
Fluxo de Caixa Livre (em R$)
EBITDA 28.000 28.000 28.000 28.000
(-) Impostos (7.140) (7.140) (7.140) (7.140)
(-) Investimentos (100.000)
(+) Custo do Ativo Vendido (não caixa) 72.000
(=) Fluxo de Caixa Livre (100.000) 20.860 20.860 20.860 92.860
Valor Presente do Contrato 15.300

Observação: EBITDA e EBITDA-A são utilizados como medida de desempenho pela administração da JSL e não são uma medida adotada pelas Práticas Contábeis Brasileiras ou Americanas, não representam o fluxo de caixa para os períodos apresentados e não devem ser considerados como um substituto para o lucro líquido, como indicadores do desempenho operacional ou como substituto para o fluxo de caixa, tampouco como indicador de liquidez. A administração da JSL acredita que o EBITDA-A é uma medida prática para aferir seu desempenho operacional e permitir uma comparação com outras companhias do mesmo segmento. Não é aconselhável o uso do EBITDA-A isoladamente e sem critério.

Topo

Análise Econômica usando EVA®

Utilizando o conceito de EVA® - Economic Value Added (Valor Econômico Adicionado) para avaliar o resultado econômico do exemplo de contrato de serviços logísticos e gestão de frota da JSL.

EVA® = NOPAT (Lucro Operacional Após Impostos) - Custo de Capital x Capital (Encargo de Capital)

Ano 0 1 2 3 4
EVA® (em R$)
Custo de Capital 10,0% 10,0% 10,0% 10,0% 10,0%
(*) Capital 100.000 93.000 86.000 79.000 0
(=) Encargo de Capital 10.000 9.300 8.600 7.900 0
Lucro Operacional após Impostos (NOPAT) 13.860 13.860 13.860 13.860
(-) Encargo de Capital (t-1) (10.0000 (9.300) (8.600) (7.900)
(=) EVA® 3.860 4.560 5.260 5.960
ROIC 13,9% 14,9% 16,1% 17,5%
Taxa de Desconto 10,0% 10,0% 10,0% 10,0%
Fator de Desconto 0,91 0,83 0,75 0,68
VP dos EVA® 3.509 3.769 3.952 4.701
Soma dos EVA® a Valor Presente 15.300

No exemplo, após a venda o ativo sai da base de capital e não existe mais nenhum encargo de capital a ser cobrado. Nota-se que a soma dos Valores Presentes do EVA® é igual ao Valor Presente Líquido dos fluxos de caixa do contrato.
Observação: EVA® é marca registrada da Stern Stewart.

A JSL acredita que sua estratégia de oferecer serviços diversificados que sejam complementares propicie uma vantagem competitiva relevante em relação aos seus concorrentes, pois permite que sejam identificadas oportunidades de Cross-Selling a partir de dentro da operação de seus clientes e, assim, possa oferecer serviços customizáveis para suas necessidades. Além disso, os ganhos de produtividade e eficiência e a redução de custos proporcionados aos seus clientes permitem que a Companhia obtenha altos níveis de Fidelização Média, traduzidos em relações comerciais de longa duração.

Topo

Aviso Importante

  • A Stern Stewart Ltda. ("Stern Stewart") foi contratada pela Julio Simões Logística S/A ("Companhia" ou "JSL") com o objetivo de demonstrar, através de um exemplo ilustrativo, não baseado em números reais, os fundamentos econômicos e impactos contábeis de um contrato de prestação de serviços de transporte e logística da JSL ("Material").
  • O Material elaborado pela Stern Stewart não representa avaliação sobre a qualidade ou adequação de quaisquer valores mobiliários ou investimentos cujos fundamentos possam ser direta ou indiretamente influenciados por este estudo.
  • As informações necessárias para a elaboração deste Material foram fornecidas a nós pela Companhia e não foram verificadas pela Stern Stewart. Não nos responsabilizamos por serem tais informações corretas e completas. Assim, ficam a Stern Stewart, seus administradores, diretores e/ou prepostos isentos de responsabilidade com relação a todo e qualquer prejuízo decorrente de falta de exatidão ou completude das informações prestadas pela Companhia, e/ou pelas suas companhias ligadas presentes neste Material.
  • A Stern Stewart ainda ressalta que o exemplo numérico utilizado neste Material é ilustrativo e não é baseado em números reais da Companhia. Os números deste exemplo são simplificados e não representam um contrato existente de prestação de serviços da JSL.
  • Nossas premissas e conclusões são válidas com as ressalvas aqui contidas unicamente na data de apresentação deste trabalho. Essas premissas e conclusões podem ser alteradas por fatos supervenientes, exemplificativamente de ordem econômica, jurídica, tributária ou de outra natureza. Não nos obrigamos a atualizar as premissas e conclusões aqui contidas, a despeito da ocorrência de fatos modificadores.
  • Este Material foi elaborado de forma objetiva e independente e é destinado unicamente ao uso da Companhia. Não deve como decorrência ser usado como guia para a tomada de decisões de negócios, associação ou investimentos por qualquer terceiro que não a JSL.
  • Não nos manifestamos sobre as demonstrações financeiras da JSL, nem sobre a regularidade de práticas contábeis ali refletidas, matéria que escapa a nossa especialização.

Última Atualização em 6 de Setembro de 2017

Voltar Topo

Linha do Tempo

Mais acessados
Fechar